O outro lado do turismo

Por Miriam Petrone

Sabemos que o Covid-19 (Coronavirus) está fazendo uma devastação na economia mundial e o setor mais atingido é sem sombra de dúvida, o turismo.

Vemos muita movimentação por parte das autoridades federal, estadual e até municipal para resolverem os problemas de ordem econômica para as empresas afetadas neste setor. Muitos são os cuidados que estão tomando para salvaguardar os direitos do consumidor que não puderam viajar por conta da pandemia mundial que se espalha rapidamente.

A razão pela qual, e a forma de resolver tudo isto, ainda está longe de ter um desfecho onde ambas as partes estarão satisfeitas. Se por um lado temos as empresas aéreas, empresas de ônibus, trens, hotéis, parques e outros tendo de oferecer remarcação para outro período sem custo algum para o consumidor, ou mesmo em muitos casos o reembolso. Temos na outra ponta o consumidor, que sabe que mais tarde terá de pagar a conta, pois as tarifas não serão as mesmas e o complemento de valor maior terá de ser feito, tendo o consumidor que pagar ônus deste colapso de alguma forma. Ou esperar 12 meses para receber os valores do reembolso.

Na cadeia desta grande catástrofe estão as empresas que tem como arcar com os custos de remarcação, cancelamentos e desistência das viagens. Empresas que estão bonificadas por ações do governo com alguns incentivos fiscais, funcionários que terão seus salários garantidos, mesmo que as empresas não operem.

Mas, temos um lado que poucos comentam, ou mesmo, que são ignorados nesta cadeia do turismo.

Os agentes de viagem

Ouvimos falar das agências, grandes ou pequenas, das operadoras, que o consumidor comum nem sabe a importância delas numa viagem, novamente das aéreas, mas não ouvimos falar destes profissionais que são os responsáveis pelo sucesso da viagem em mais de 90% dos casos. São estes profissionais que pilotam a “nave mãe” do turismo. Ouvindo o desejo dos clientes e fabricando a realização dos sonhos. São estes profissionais que na maioria absoluta trabalham em carreira solo, sem ter respaldo de grandes agencias porque não são funcionários, apenas colaboradores informais, muitos até dentro dos padrões da formalidade como empreendedor individual ou mesmo como micro empresas, mas que não aparecem na cadeia como algo relevante para que sejam notados.

A pergunta que ecoa entre estes profissionais é muito simples, não tem nada de enigmático, simplesmente querem saber como farão para enfrentar este inimigo oculto que todos estamos enfrentando, mas, para eles significa que não terão como arcar com as despesas mensais se as viagens continuarem a serem canceladas.

Simples, se acompanharmos pela cadeia como funciona o rendimento destes profissionais. O pagamento é feito através de comissões das viagens vendidas e muitas vezes divididos por partes, de acordo com o parcelamento, não é via de regra, mas pode acontecer. Trabalham home office para não terem despesas maiores, se sujeitam a taxas as vezes baixas, e são eles que resolvem tudo para o cliente, para que saiam satisfeitos e voltem a comprar. Outros agentes se aventuraram a abrirem suas próprias agencias, mas não são grandes o suficiente para aguentarem uma quebradeira financeira nestas proporções que o Covid-19 tem impingido ao mercado. Algumas destas pequenas agencias podem ser comparadas aos agentes em carreiras solo, que não conseguirão suportar os reembolsos, salários, despesas de aluguel e outras despesas fixas. E fazendo justiça a estas pequenas empresas, vale mencionar que elas procuram honrar a satisfação dos clientes e agem dentro da lei não cobrando taxa de cancelamento como as grandes, mesmo sabendo que é ilegal, fazem.

Voltando aos agentes de viagem, estes profissionais serão os mais atingidos, sem a perspectiva de novas marcações de viagens, seja com novos ou antigos clientes. Quem viajará em curto espaço de tempo mesmo que o vírus maldito tenha ido embora?

Imaginando positivamente que o Covid-19 deixa de ser ameaça mundial daqui uns dois ou três meses, quem terá dinheiro para viajar, ou mesmo vontade, se muitas pessoas perderão entes queridos e ainda estarão sob o medo da dúvida se realmente acabou ou não a ameaça deste inimigo invisível.

Estes profissionais, que não ouvimos ser mencionada a classe, que trabalham para que os grandes tenham cada vez mais êxito, estão esperando que numa destas medidas e resoluções do governo sobre alguma para eles. Oferecendo alguma saída para os meses que ficarão sem trabalho. Porque sem trabalho ficarão sem rendimento.

Sabemos que profissionais de outras áreas também não tem esperança para sobreviverem a sombria realidade de escassez financeira. A preocupação de todos é saber se o governo irá criar alguma saída para todos. Demissão em massa, redução da jornada de trabalho, receber seguro desemprego são alguns dos itens apontados pelo Ministro do Turismo num pleito apresentado ao presidente da República, mas que infelizmente, se sair do papel irá causar mais danos do que solução. Quais medidas estão sendo tomadas para ajudar os agentes de viagem?

Esperamos que outras profissões ligadas ou não ao turismo, e que também foram atingidas por esta pandemia, possam ser contempladas com medidas justas e soluções justas.

O turismo é apontado no mundo como a solução para o desenvolvimento econômico como um milagre. Acreditamos que seja mesmo. Por isso ações para preservar estes profissionais seja tão urgente quanto salvar as grandes empresas.

Que o governo crie medidas e esperança.