Setor hoteleiro tem em julho seu melhor mês desde o início da pandemia, aponta levantamento

Compartilhe essa notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Setor também registrou alta no número de contratações em julho. Crédito: Gustavo Messina/MTur

A retomada do turismo para o setor hoteleiro ganhou fôlego em julho deste ano. É o que apontou um levantamento realizado pelo Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB), que trouxe uma alta de 19,4% na taxa de ocupação hoteleira entre junho e julho. O índice registrado no último mês, de 44,23%, é o maior desde o início da pandemia no país. O destaque vai para a região Nordeste, que aumentou em quase 40% a taxa de ocupação de seus hotéis, ultrapassando mais da metade dos quartos utilizados no período.

Outro destaque da pesquisa foram as unidades do Sul do país, região onde a taxa de ocupação hoteleira apresentou alta de cerca de 32%. A capital gaúcha, por exemplo, se aproximou da metade das unidades preenchidas. No Sudeste, o crescimento chegou a 15,3%, e no Centro-Oeste, o índice avançou 9,4%. A região Norte registrou um leve acréscimo, de 0,46%, permanecendo com mais da metade dos quartos ocupados.

Para o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, os números são resultado de uma vacinação efetiva promovida pelo governo federal no país e da segurança da população quanto aos protocolos de biossegurança adotados por estabelecimentos. “O governo do presidente Jair Bolsonaro tem avançado cada vez mais na vacinação da nossa população, e isso tem garantido uma maior segurança dos turistas na hora de viajar. E não podemos esquecer do nosso Selo Turismo Responsável, que é um incentivo para que os consumidores se sintam seguros ao frequentar locais que cumpram protocolos específicos para a prevenção da Covid-19”, afirmou.

Até o momento, mais de 6,3 mil meios de hospedagem aderiram ao Selo Turismo Responsável, lançado pelo Ministério do Turismo em 2020. O documento é um reconhecimento visual e dá credibilidade às empresas do setor que declararam cumprir protocolos de biossegurança contra a Covid-19. Os estados onde mais hotéis aderiram ao selo foram São Paulo (917), Rio de Janeiro (662) e Minas Gerais (556).

Para obter o Selo Turismo Responsável, que é totalmente gratuito, o estabelecimento precisa estar com a situação regular no cadastro de prestadores de serviços turísticos (Cadastur), acessar o site do selo, ler as orientações e declarar atender aos pré-requisitos determinados. Até o momento, quase 29,5 mil estabelecimentos ou guias de turismo de todo o país emitiram a sinalização.

DADOS REGIONAIS – Um levantamento realizado pelo Ministério do Turismo junto às representações regionais da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) também trouxe bastante otimismo para o setor em alguns estados e cidades do país. Em Salvador (BA), mais de 48% dos quartos estavam ocupados, fazendo de julho o segundo melhor mês do ano para os hotéis soteropolitanos. Ainda no Nordeste, o estado de Alagoas teve 76,92% de suas unidades preenchidas, e no Rio Grande do Norte, o índice atingiu a marca de 51%. Em São Luís (MA) e Fortaleza (CE), os percentuais somaram 60% e 61%, respectivamente.

Na região Sudeste, o estado de São Paulo teve 39,62% de ocupação. O Rio de Janeiro ultrapassou 51% dos quartos preenchidos, com destaque para o município de Vassouras, que registrou 83% de ocupação. No Sul do Brasil, Gramado (RS) atingiu a capacidade máxima (75%). Já Florianópolis (SC) se aproximou dos índices de 2019, de 44,4%, e Foz do Iguaçu (PR) teve o maior índice registrado desde setembro do ano passado, com 35,5% de ocupação.

EMPREGOS – A alta nas taxas de ocupação dos hotéis também gerou mais postos de trabalho para o setor no país. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Previdência, apontaram que o setor hoteleiro contratou mais de 12,7 mil pessoas em todo o Brasil. O número é 30,9% superior ao registrado no mês de junho, quando 9,7 mil trabalhadores foram chamados para atuar em meios de hospedagem dos destinos nacionais.

Desde 2020, o Ministério do Turismo vem adotando uma série de ações em prol da manutenção de empregos e empresas do setor. Entre elas, a liberação de R$ 5 bilhões em linhas de crédito para estabelecimentos afetados pela pandemia e a formulação de medida provisória para regulamentar o cancelamento e a remarcação de pacotes turísticos e eventos culturais.

 

Outras Notícias

Turismo em São Paulo

 Uma experiência imperdível dos negócios ao lazer O balanço final da imagem de São Paulo durante a Copa do Mundo foi muito positiva, e não

Leia mais